Para quem gosta de música sem preconceitos - el Cabong

Os lançamentos dos primeiros dias de abril que você não deve perder

Apesar de ainda estarmos enfrentando um dos momentos mais difíceis em muito tempo para a humanidade, a música segue em alta rotatividade. O ano vai deslanchando com diversos e importantes lançamentos de álbuns, EPs e singles. Entre as novidades nesta primeira parte do mês de abril estão interessantes trabalhos do Boogarins, Brockhampton, Samba Touré, Okwei Odili, The Fratellis, Luiz Caldas, Sophia Chablau e Uma Enorme Perda de Tempo, Matthew E. White & Lonnie Holley, Female Species, Glasvegas, Godspeed You! Black Emperor e The Drums.

Veja também:

45 feats reunidos em novos videoclipes da música brasileira.
Os 20 livros sobre música lançados em 2020 que você deveria ler.

Tem ainda uma coletânea de bandas em homenagem aos 40 anos da 4AD, novidades de Marina Lima, Taylor Swift, Febem, João Selva e Lucas Vasconcellos. Uma leva de novos trabalhos de artistas baianos dos mais diversos estilos e gêneros, como Roça Sound, Sued Nunes, Rafique Nasser, Orquestra Reggae de Cachoeira, Forró da Gota, Familia Triplice, André Dias e Reyynam Poeta.

Tem também música instrumental da Noruega, rock chinês,  experimentalismo japonês, pop francês, folk libanês, rap sul africano, trap da Estônia, uma compilação com artistas armênios e muito mais. Mergulhe na música.

SINGLES

Entre os singles novidade de Prince, Tony Allen (com Sampa the Great),  Arícia Mess, Damien Jurado, Esperanza Spalding, ST. Vicent, Enzo Banzo (ex-Porcas Borboletas), Mdou Moctar, Gilsons, Nêssa com Cronista do Morro, London Grammar e muitos outros. Fique ligado e siga nossa playlist com atualização diária com os lançamentos deste mês de abril.

ÁLBUNS

Boogarins – Manchaca Vol. 2
A banda goiana fecha o ciclo de projetos dos tempos pandêmicos com uma segunda compilação de trabalhos relacionados a álbuns lançados anteriormente. Agora, o quarteto mostra o aperfeiçoamento criativo em sessões de improviso dos discos Lá vem a Morte e Sombrou Dúvida.

Brockhampton – Roadrunner: New Light, New machine
A boy band de rap do Texas solta o sexto álbum, o primeiro de dois que devem ser lançados este ano e estão sendo anunciados como últimos do grupo. Recheado de convidados especiais, o trabalho traz uma sonoridade mais orgânica, elementos dos anos 1990 e uma atmosfera introspectiva.

Samba Touré – Binga
O lendário cantor e guitarrista do Mali mergulha mais uma vez nas raízes da cultura Songhoy em seu quarto álbum, que homenageia Binga, a região onde nasceu, no sul do Saara. É a tradicional guitarra circular e hipnotizante do deserto acompanhada basicamente de elementos percussivos.

Okwei Odili – Òsùmàrè
A nigeriana radicada em Salvador, lança seu álbum gravado com a banda baiana Aweto, no qual une sonoridades da África e da América Latina, com destaque para o reggae. Dez composições próprias que tratam de amor, luta e esperança, quase sempre cantadas em inglês.

The Fratellis – Half Drunk Under Full Moon
O trio de Glasglow explodiu um hit e foge de ficar refém dele. Neste sexto álbum de estúdio, a banda aposta num indie rock com canções grandiosas com melodias grudentas e guitarras combinadas com metais e cordas.

Luiz Caldas – Sambadeiras
Dando continuidade a sua epopeia de lançar um álbum de inéditas por mês, o artista baiano foca no Samba de Roda do Recôncavo Baiano. A obra faz uma reverência aos artistas da região e em especial a Roberto Mendes.

Sophia Chablau e Uma Enorme Perda de Tempo – Sophia Chablau e Uma Enorme Perda De Tempo
Com produção de Ana Frango Elétrico, a banda paulistana lança seu disco de estreia, partindo do indie rock para inserir elementos tortos de pop, música brasileira e experimentalismo.

Sued Nunes – Travessia
Primeiro álbum da cantora e compositora baiana, que traz a sonoridade da Música Preta Brasileira, em especial a produzida na Bahia, embalada por muito groove e uma voz potente.

Matthew E. White & Lonnie Holley – Broken Mirror: A Selfie Reflection
Dois instrumentistas inventivos e vanguardistas se unem num trabalho imersivo e ousado, com faixas hipnotizantes cheias de improvisações, batidas agitadas que remetem a um funk psicodélico, enquanto as letras tratam de um mundo distópico.

Taylor Swift – Fearless (Taylor’s Version)
Com a conquista da autonomia artística, a cantora e compositora norte-americana de pop country começa o processo de relançar seus antigos álbuns em novas versões. Neste primeiro, apresenta uma nova versão do disco de 2008, incluindo seis faixas inéditas da época.

Aquino e a Orquestra Invisível – Os prédios cinzas e brancos da Av. Maracanã
O trio carioca apresenta em sua estreia uma mescla de vários gêneros e estilos musicais, indo da axé music, passando por samba, MPB, até  o indie e experimental.

Small Black – Cheap Dreams
Pioneiros do Chillwave, o grupo nova-iorquino retorna com um novo álbum após cinco anos. No novo trabalho, o quarteto aprofunda o clima nostálgico, suave e contemplativo que marca sua sonoridade.

Febem – Jovem OG
O artista paulista se cerca de parceiros de peso para seguir sua trajetória de exprimir em rimas certeiras a realidade do jovem nas periferias brasileiras. A produção caprichada de CESRV se destaca colocando o álbum em sintonia com o grime produzindo mundo afora.

Dry Cleaning – New Long Leg
A estreia do grupo inglês mostra um pós-punk interessante, com guitarras ruidosas e tensas e uma cozinha aprumada em loop enquanto a vocalista Florence Shaw narra palavras sobre seu mundo particular.

Vários Artistas – Bills & Aches & Blues EP1
Para comemorar os 40 anos de fundação, a gravadora 4AD reuniu convidados para fazer versões de músicas de bandas que foram apresentadas pelo selo. Pixies, Breeders, Blonde Redhead, entre outros, reinventados por nomes como Deerhunter, Big Thief, Future Islands e Tune-Yards.

André Dias – Das Mais Belas Tristezas às Mais Doces Levezas
O cantor, compositor e guitarrista baiano aposta num indie rock melancólico em seu primeiro álbum solo. Uma sequência de canções com temáticas subjetivas, pessoais e profundas.

Female Species – Tale Of My Lost Love
Um daqueles álbuns que só pela história vale muito prestar atenção. Duas irmãs do sul da Califórnia iniciaram a carreira ainda no longínquo ano de 1966. Entre idas e vindas, se tornaram compositoras na indústria do country, mas só agora, 55 anos depois, lançam seu álbum de estreia. Uma sequência de deliciosas canções country-pop.

Glasvegas – Godspeed
O quarto álbum da banda escocesa, o primeiro em sete anos, descarrega o noise pop amargo e noturno entre guitarras, sintetizadores, violões e a grande voz de James Allan.

Godspeed You! Black Emperor – G_d’s Pee AT STATE’S END!
A veterana banda canadense apresenta sua nova explosão pós-punk ou punk sinfônico, como tem sido chamada a sonoridade do grupo. O sétimo traz apenas 4 faixas, que vão de 6 a 20 minutos de duração, e servem como trilha sonora do fim de um mundo e começo de outro.

Forró da Gota – Baianeira
Em segundo álbum, a banda baiana reforça sua proposta de trabalhar com ritmos tradicionais nordestinos, como xote e baião, em sintonia com sonoridades contemporâneas e urbanas.

João Selva – Navegar
O artista carioca retorna com um segundo álbum, uma ode ao sons afro e ao tropicalismo, passando pelos ritmos do Nordeste brasileiro, Angola e Cabo Verde e impregnado de funk, jazz e disco.

Mon Laferte – Seis
Inspirado por um documentário sobre a cantora Chavela Vargas, a premiada artista chilena mergulha nos ritmos mais tradicionais e populares do México, dando foco especial a ranchera.

Damon Locks & Black Monument Ensemble – Now
Formado por 18 artistas, o coletivo multigeracional de Chicago apresenta a continuação do álbum anterior, agora tratando do difícil ano de 2020, encarando os conflitos raciais com uma celebração à negritude.

Lucas Vasconcellos – Teoria da Terra Plena
O novo e quarto álbum do cantor, compositor, produtor carioca (e ex-integrante do Letuce) é um reencontro com instrumentos acústicos e com a quietude da serra fluminense. O resultado são canções mais intimistas e um belo disco.

Orions Belte – Villa Amorini
Música instrumental da Noruega com vocais esporádicos e sem se prender a um gênero definido. É um misto de indie pop, psicodelia, dub, jazz e até desert blues africano.

Sufjan Stevens – Meditations
Em luto com a morte do pai, o artista norte-americano mergulhou numa produção em série, que desemboca no novo álbum Convocations, com 49 faixas. Ele dividiu essa criação em cinco blocos, que vêm sendo apresentada aos poucos. Ambient music, atmosférica e minimalista.

GAAL – A room made of Sea 海幻空间
Direto de Beijing, China, aqui temos um modelo exemplar de mescla de rock, sonoridades orientais, improvisação, psicodelia com guitarras, flautas, sintetizadores e percussão se cruzando.

Vários artistas – Ijexá, Canto de Encantar
Álbum beneficente que presta uma homenagem ao ijexá e que traz nomes como Josyara, Luiz Caldas, Gerônimo, Lazzo e Margareth Menezes interpretando composições de Lourival Vieira e Rodrigo Moraes.

Pony – TV Baby
A cantora e compositora canadense apresenta em sua estreia um power pop bem feito, com canções melodiosas à base de guitarras barulhentas e vocais meigos.

Jay1 – One Wave 2
O rapper britânico de ascendência congolesa lança a sequência de seu EP, seguindo na mesma toada com beats secos, arranjo cheio de elementos e rimas certeiras.

Flock of Dimes – Head of Roses
A multi-instrumentista, cantora e compositora norte-americana solta seu segundo álbum com canções que mostram um lado mais atmosférico da música pop.

Bryce Dessner – Impermanence/ Disintegration
O guitarrista da banda The National se envereda por seu lado de compositor erudito e lança com o Australian String Quartet a trilha-sonora do espetáculo da Sydney Dance Company.

The Natvral – Tethers
O novo projeto do cantor e compositor norte-americano Kip Berman (ex-of The Pains of Being Pure at Heart) mescla em seu disco de estreia um misto bem azeitado de indie e folk rock, com ecos de Bob Dylan.

La Femme – Paradigmes
Grupo inovador do pop francês lança seu terceiro álbum que passeia pelas diversas influências e referências de seus mais de dez anos de existência. Rock, pop, indie e um passeio por sonoridades norte-americanas.

Ryley Walker – Course In Fable
Produzido por John McEntire (Tortoise), este novo álbum do cantor e guitarrista norte-americano se mostra ambicioso ao mesclar canções complexas de folk-rock com progressivo e letras enigmáticas.

Max Richter – Voices 2
O pianista e compositor britânico lança a segunda parte de seu projeto pioneiro de vozes audiovisuais, cocriado com sua parceira artística, Yulia Mahr. Ele incorpora o discurso da Declaração Universal dos Direitos Humanos numa mensagem de esperança.

Spirit of The Beehive – Entertainment, Death
O trio da Filadélfia apresenta um universo de difícil classificação. É experimentalismo no conceito, mas passando por elementos de diversos gêneros e cada canção apontando numa direção, indie, punk, eletrônica, psicodelia e muito mais.

Vhoor – Ritmo
O produtor Victor Hugo Oliveira Rodrigues é o nome por trás do coletivo mineiro que ao seu modo abraça neste álbum o samba de coco. Com timbres, camadas e beats joga o tradicional ritmo nordestino derivado do coco para o futuro.

Gato com Fome – Sedento
O trio paulistano apresenta em seu terceiro álbum um passeio pelo mundo do samba, passando por samba de breque a sambalanço com autoridade.

Iglooghost – Lei Line Eon
O produtor britânico apresenta em seu novo trabalho uma música densa, misteriosa e caótica, numa ambientação cheia de ruídos, batidas quebradas e vozes infantis.

Almir Chiaratti – Frágil
Em seu segundo álbum, o cantor e compositor carioca abre novos caminhos, criando uma sonoridade que vai de ambientes mais atmosféricos e experimentais a uma MPB recheada de elementos eletrônicos.

tomemitsu – Sun
Leves e doces canções de indie-folk compõem o álbum de estreia desse artista de Los Angeles.

CFCF – Memoryland
O produtor e multi-instrumentista canadense aponta um novo caminho neste novo trabalho, trafegando pela música eletrônica comercial e até ecos do rock alternativo dos anos 1990.

Vijay Iyer – Uneasy
O pianista montou um novo trio com baixo e bateria e executa obras inéditas e antigas composições nesse formato atual, mostrando um jazz de excelência.

Tayc – Fleur froide (Umm)
O cantor e compositor francês lança seu quinto álbum em dois anos, mostrando sua música carregada de R&B e soul.

Ratboys – Happy Birthday, Ratboy
Dez anos após lançar estrear com o primeiro EP, a banda de Chicago decidiu regravar o trabalho inserindo faixas raras do início da trajetória e um lado B recente. A sonoridade é indie-folk-pós-country.

The Drums – Mommy Don’t Spank me
A banda norte-americana resolveu resgatar músicas que ficaram de fora de seus dois primeiros álbuns e reuni-las nessa coletânea. Isso é a primeira parte deste disco, a outra é uma reunião de canções já conhecidas do grupo remixadas por contemporâneos.

Rogér Fakhr – Habibi Funk 016: Fine Anyway
O músico libanês gravou as canções deste trabalho no final dos anos 1970 em Beirute e no exílio em Paris, mas elas só existiam em velhas fitas cassete copiadas ou nunca haviam sido lançadas. Agora a mescla de folk com toques de jazz e soul ganha luz.

Tiana Major9 – At Sixes And Sevens Remixed
Artistas com indicação ao Grammy, a cantora britânica lançou essa mixtape recriando seis canções do álbum original e remixando o restante com participação de nomes como SiR (Califórnia), Lucky Daye e Vince Staples.

Boris – New Album 2009
A banda experimental japonesa mostra sua mescla insana de pós-metal, dream pop e shoegaze nessa coleção de versões alternativas de músicas de vários lançamentos de 2009-2011.

Emtee – Logan
O rapper e produtor sul africano lança seu quarto álbum, um trabalho que mostra um artista mais maduro, contando suas histórias através de rimas em 16 faixas.

Vários Artistas – YERAZ [Past, Present and Future Armenian Sounds From Los Angeles to Yerevan]
Compilação beneficente que reúne artistas diversos da cultura armênia e que reflete a riqueza e resiliência do povo da ex-república soviética.

Black Diamond Lake – O Carro em Chamas
Um trio australiano formado por um baiano e dois ingleses, uma bateria e duas guitarras destruidoras detonam um rock urgente e encharcado de blues-rock.

EPS

Roça Sound – Roça Sound com Elas
O grupo de Feira de Santana costuma mesclar sonoridades nordestinas e afro-americanas a partir do sound system. Com participações especiais, este trabalho mostra o grupo em sintonia com outros sons de periferias do Brasil, passeando por repente, brega funk, tecnobrega, raggamuffin, rap e axé music.

yaya bey – The Things I Can’t Take With Me
Nascida e criada no Queens, em Nova York, a artista multidisciplinar, cantora e compositora lança seu novo EP, um trabalho íntimo que mescla temas pessoas e políticos num ambiente de soul e R&B.

Marina Lima – Motim
A veterana artista reúne 4 canções inéditas compostas em 2020, que fazem uma síntese de sua trajetória, do violão e romantismo pop à música eltrônica e sonoridades contemporâneas.

Skullcrusher – Storm in Summer
Folk alternativo com ecos de shoegazee é o que apresenta a cantora e compositora californiana Helen Ballentine.

Orquestra Reggae de Cachoeira – O Encontro
Cachoeira, no Recôncavo Baiano, é terra de alguns dos maiores nomes do reggae brasileiro e também dessa orquestra. Fruto de um projeto sócio-musical, ela apresenta seu primeiro trabalho, composto de cinco faixas inéditas e autorais no melhor clima do ritmo jamaicano e com participação da Orquestra Brasileira de Música Jamaicana.

Reyynam Poeta – Corpo Fechado
O artista baiano mostra em seu primeiro EP uma sonoridade que passeia por black music, rap, ijexá e samba reggae, com letras que falam do cotidiano urbano de um jovem negro.

Rafique Nasser – Conto Lamento de um Rio que Secou
O jovem artista da cidade baiana de Valença mostra em seu mais novo EP uma música baseada em ritmos nordestinos, como samba, maracatu, baião, forró e ijexá, sem deixar de lado influências d jazz e blues.

Maria Reis – A Flor da Urtiga
A cantora e compositora nascida em Lisboa mostra um indie com elementos do pop e da música tradicional portuguesa, abordando temáticas sobre família, amor e integridade.

Sorry – Twixtuswain
O duo londrino mostra um trabalho experimental com base eletrônico, música torta, barulhenta e interessante.

Kamo Mphela – Nkulunkulu
Novo trabalho da jovem cantora e dançarina sul-africana que explora a sonoridade do Amapiano, um estilo de house music surgido em seu país.

Ipásia – Voragem
A cena sergipana não para de apresentar boas novidades. Agora é a vez do dream pop sergipano mostrar seu valor com esse novo trabalho.

Personas – Das Luzes Que Se Fundem Com A Manhã
A Banda de São José Dos Campos mostra um trabalho calcado em rock alternativo, emo e indie rock com guitarras barulhentas e letras em português.

Marcio de Almeida Bueno – Coração, faca e corte
O novo trabalho do compositor e multi-instrumentista gaúcho reúne cinco faixas autorais compostas, produzidas e executadas por ele mesmo e que trafega por o rock torto e psicodelia.

Yukika – timeabout,
A cantora e compositora japonesa mostra seu novo trabalho que mantém a pegada nostálgica do pop e R&B de décadas passada.

Familia Triplice – 1000 Grau
O grupo de Salvador aprofunda sua proposta de faz um pagotrap autoral, mesclando as batidas da quebradeira baiana com os beats do subgênero do rap, inserindo ainda elementos de outros gêneros.

Stenamina Boat – Chuva Imóvel
Formada por veteranos da cena alternativa paulistana, a banda mostra seu passeio por terrenos psicodélicos, passando pelo post-punk e influências do indie rock dos anos 90.

Grupo Porco – Robode
Thiago Machado, o Porquinho (UDR, Fodastic Brenfers, Polly Terror) é o artista por trás deste projeto que apresenta uma música instrumental com temática política, que mescla rítmicas do funk com riffs de rock alternativo. É isso mesmo.

Miguel – Art Dealer Chic 4
Nove anos após lançar a trilogia original Art Dealer Chic, o artista norte-americano lança o quarto volume da série mantendo o nível de seu R&B.

Yama Yuki / Darisbo / Crise Vitória – Gibon
Inspirado na música de um improvisador gaúcho, o compositor japonês radicado em São Paulo cria paisagens eletroacústicas com texturas, elementos eletrônicos rebeldes e guitarra em loop.

Severino – Ainda é carnaval
O segundo EP da banda capixaba reforça o pop proposto pelo duo, leve e fácil, mas não descartável e com elementos de soul e indie.

Paulo Roberto Pitta + George Christian – Perguntas na Penumbra
Criado para uma vídeo-performance, essa suíte em dois movimentos, um acústico e outro elétrico, reúne dois músicos-instrumentistas e improvisadores. Música vanguardistya experimental.

Tommy Cash – Moneysutra
O jovem rapper da Estônia mostra seu poder de criar uma música de alto poder pop  se cercando de convidados.

Márcia Guzzo – Udayara
Com a produção musical de Kassin, a cantora carioca apresenta um trabalho calcado na black music com elementos de música pop, reggaeton, brega, house music e funk.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Log in