Para quem gosta de música sem preconceitos - el Cabong

Filme e discos do The Dead Billies estão disponíveis na internet

Quem conheceu o The Dead Billies nos anos 1990 sabe o quanto a banda era incrível. Em cima do palco, Mosckabilly, Morotó Slim, Joe Tromundo e Rex Crotus faziam shows memoráveis com seu psychobilly endemoniado. Em estúdio, o quarteto também deixou ótimas lembranças. Muito dessa história, porém, ficou guardada apenas na memória e destinada a cair no esquecimento para as novas gerações. Isso tem mudado. O documentário ‘The Dead Billies – Loucura Perde’, que conta a história do grupo, acaba de ser disponibilizada na internet. Outra boa nova é que a demo ‘Coffin Bop’, e os discos ‘Don´t Mess With…’ e ‘Heartfelt Sessions’, finalmente, chegaram às plataformas digitais.

Veja também:
– Os quatro Dead Billies se reúnem e gravam disco de inéditas.

A demo em fita cassete ‘Coffin Bop’, lançada em 1995, foi o primeiro trabalho da banda. Item raríssimo, ela chega a ser vendida por quase R$ 200 em sites de compras como Mercado Livre. Trazia 8 petardos, entre eles clássicos como “Psychogrubs”, “Vampire”, “Lick My Lollipop” e “Monster Man”. Apenas duas faixas, “Every Bullet Has Its Biillet” e “Ghost Town Blues” não estariam no primeiro disco, ‘Don´t Mess With…’, lançado em 1996. Nele, além das seis faixas da demo, também trazia outras 7, entre elas “Invasion of the Body Snatchers”, “Monster Potion No.9”, “Prisioner of Bad Luck” e a instrumental “Tarântula”.

O segundo e derradeiro disco trazia uma banda já mais madura e pegando novos rumos, com influências mais amplas. ‘Heartfelt Sessions’, lançado em 1999, também tinha uma produção mais caprichada e trazia músicas, até então, nunca gravadas pelo quarteto. Entre elas, novos clássicos, como “I Can’t Help Myself from Gettin’ it on”, “You Favorite Crime”, “The Devil Made me do it”, entre outras. A demo foi lançada originalmente em fita cassete e os discos apenas em CD, todos eles virando objetos. Os três já haviam sido disponibilizados em sites como o youtube, mas só agora, o material ganhou a internet de forma oficial e com uma qualidade adequada. Ouça abaixo depois do texto.

Documentário

O filme era ainda mais obscuro do que os discos. Ele chegou a ter algumas exibições específicas, para poucos, mas permanecia inédito para o grande público. Finalmente, foi disponibilizado na íntegra no youtube. Mas, como diz o diretor Alexandre Guena, mais conhecido como Xanxa, “tem que ser visto logo, pois não sei por quanto tempo vou deixar online”. Se alternando entre entrevistas e imagens históricas, o doc conta em 73 minutos a trajetória de uma das melhores bandas de rock da Bahia, e por que não, do Brasil.

Passados quase 15 anos do fim do Dead Billies, o culto permanece e todo material é sempre lembrado por quem viu aqueles quatro de perto. Assim mesmo, o filme demorou bastante tempo a ser disponibilizado. Xanxa explica que “como uma autêntica banda de rock n roll, os Dead Billies encerraram as suas atividades de forma turbulenta. E a ideia inicial era mostrar o filme na faculdade mesmo”. O doc foi feito por ele como projeto de conclusão de curso em cinema numa faculdade de Salvador em 2006 e só finalizado em 2013. “Não tivemos muito apoio e eu estava apenas começando a minha história no cinema. Fiz algumas exibições e finalmente disponibilizei no meu canal para comemorar o décimo terceiro aniversário do filme para os amigos e fãs que criaram uma lenda ao redor da banda e consequentemente do filme”, explica. A lenda diz também que, na verdade, os Dead Billies só liberariam o filme quando seus filhos ganhassem a maioridade (rs). 

Estão lá histórias hilárias vividas pelos integrantes, participações em programa de TV, relatos e imagens de vários shows incríveis que fizeram, especialmente em Salvador. Segundo Guena, a ideia de fazer o filme na época foi muito natural. “Eu tinha que fazer um filme na faculdade e decidi por filmar meus amigos. Os Dead Billies foram como uma alucinação coletiva. Eles eram realmente muito bons em suas composições e execução em shows. Quando rodei os depoimentos, entre 2002 e 2005, a banda já havia terminado. Nós tínhamos os registros em discos, porém, eu quis registrar algo mais. Todos eles são ótimos contadores de histórias e eu queria guardar isso na memória, em filme. Então acho que narrei a trajetória do grupo através destas anedotas. Somado a isso tive acesso a diversos shows gravados em fita VHS por amigos e fãs”, conta Xanxa, que disponibiliza sua produção no canal Stellamarisfilmes.

Outros Filmes

Um outro filme sobre o quarteto foi produzido por Fabiana Massoquette e Gabriel Gonçalves, em 2005, e também está disponível desde 2016 no youtube. Feito como trabalho de conclusão do curso de Jornalismo, pela Faculdade Social da Bahia (FSBA), ‘Não Brinque com os Dead Billies’ segue a mesma linha. Conta em 23 minutos a trajetória da banda desde sua criação, passando por casos históricos, a produção dos discos e o fim. Tudo é mostrado através de vídeos, fotos e entrevistas com os quatro integrantes e fãs.

Obra disponibilizada

Coffin Bop (1995)

Don´t Mess With… (1996)

Heartfelt Sessions (1999)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

5 Comments

  1. Billy Nilson Grilowski Reply

    Quando estávamos recrutando as bandas para a coletânea PsycHorrendo, liguei para o Moskabilly para convidar os Dead Billys para a coletânea, na época tinham feito uma breve aparição no programa da Regina Casé da Globo, como eles e acho que o empresário estavam com expectativa de algum contrato com alguma gravadora major, acabou não rolando, mas com certeza deixaram o seu legado na cena underground. Dead Billies Rules, Ok!

  2. Daniel Reply

    Em 2014 rolou a conversa de um novo trabalho, que foi até veiculado aqui (há um link na matéria), mas não tive mais notícias.

    O material foi disponibilizado?

  3. Pingback: Os mais novos clipes da música baiana - » Para quem gosta de música sem preconceitos, numa visão a partir da Bahia

  4. Pingback: Os 20 filmes sobre música que você deveria ter visto em 2018 | » Para quem gosta de música sem preconceitos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Log in