Para quem gosta de música sem preconceitos - el Cabong

Os 17 filmes sobre música que você deveria ter visto em 2019

Resgatamos os filmes sobre música que todos nós deveríamos ter visto em 2019, nos cinemas, na tv, no Netflix, na internet, ou nos festivais. 

Os filmes sobe música continuam ganhando destaque mundo afora. As cinebiografias não só continuam sendo feitas, como se tornaram grandes sucessos de bilheteria. Mas para quem quer mergulhar no mundo da música através de filmes, os documentário ainda são os mais comuns e relevantes. No balanço de como foi o ano de 2019, o el Cabong destacou 17 filmes que chamaram atenção sendo exibidos nos cinemas, na tv, nos serviços de streaming, na internet, ou nos festivais.

Veja também:

Filme e discos do The Dead Billies estão disponíveis na internet.
Os 20 filmes sobre música que você deveria ter visto em 2018.
Os 20 filmes sobre música que você deveria ter visto em 2015.

Com linguagens diversas, esses filmes falam de música de diversas formas, seja destrinchando a vida e obra de algum artista, seja acompanhando algum momento de suas carreiras, ou mergulhando em eventos específicos, em gêneros musicais, em sonoridades de uma região e abordando empresas fundamentais para música.

Selecionamos obras que tratam de nomes importantes da música. São artistas do pop mundial, como Elton John, Fela Kuti, Aretha Franklin, Bob Dylan, David Crosby. Mas também obras retratando nomes importantes de nossa música, como Erasmo Carlos, Dorival Caymmi e Edy Star.

Tem ainda filmes sobre um festival libertário em plena ditadura militar brasileira, documentários sobre gravadoras que imprimiram uma marca em gêneros musicais, uma ficção que mostra como a música de Bruce Springsteen impacta a vida de um jovem, a historia da música eletrônica no Brasil, entre outros.

____________________________________

Filmes Música 2019 O Barato de IacangaO Barato de Iacanga

Como é ter uma ideia louca, colocar em prática mesmo com tudo para dar errado e ser um enorme sucesso? Essa é a história do Festival de Águas Claras, o lendário festival de música brasileira ao ar livre que aconteceu entre os anos de 1970 e 1980, numa pequena cidade paulista. Através de entrevistas com artistas, fundadores do evento e outras personagens, o documentário relembra como foram aquelas dias loucos do chamado Woodstock brasileiro. As imagens de arquivo de bastidores e de shows históricos, como de João Gilberto, Luiz Gonzaga, Alceu Valença e Raul Seixas, mostram como o festival, que teve quatro edições entre 1975 e 1984, se tornou um símbolo da contra cultura no país em plena ditadura militar. Uma oportunidade de acompanhar a trajetória de um evento histórico, que surgiu de uma ideia despretensiosa, obteve grande sucesso, se tornou um festival grandioso para encontrar a decadência com a ganância dos envolvidos.

(O Barato de Iacanga, 2019)
Documentário musical
90 minutos, Brasil
Direção: Thiago Mattar
Prêmio: vencedor do prêmio de júri do festival In-Edit Brasil 2019
Onde assistir: Netflix

Filmes 2019 Música Rocketman Elton JohnRocketman

Após o sucesso de ‘Bohemian Rhapsody’, biografia da banda Queen e, principalmente, de seu vocalista Freddie Mercury, Hollywood resolveu apostar de vez em cinebiografias. Elas sempre existiram, mas agora ganham ares de super produção e retomam a obra de ícones da música pop mundial. Em 2019, foi a vez de Elton John. O filme conta a trajetória do artista desde quando era apenas o tímido Reginald Dwight até se transformar em uma super estrela da música pop. A história da vida de Elton John é contada através da releitura das músicas do superstar, da infância complicada, fruto do descaso do pai pela família, passando pelo início da carreira, até o sucesso e as relações amorosas e profissionais. Destaque para a parceria com o compositor e parceiro profissional Bernie Taupin e com o empresário e ex-amante John Reid.

(Rocketman, 2019)
Biografia Musical
121 minutos, Reino Unido
Direção: Dexter Fletcher
Elenco: Taron Egerton, Jamie Bell, Richard Madden

Filmes Música 2019 Meu Amigo FelaMeu Amigo Fela

Nascido na Nigéria em 1938, Fela Kuti se tornou uma lenda em seu país e um ícone da música mundial como criador do afrobeat. O documentário traz uma nova perspectiva sobre o artista, mostrando lados pouco conhecidos de sua complexa vida. Através dos olhos e conversas do amigo íntimo e biógrafo oficial de Fela, o africano-cubano Carlos Moore, o público pode conhecer mais da vida deste artista rebelde e iconoclasta negro. Em especial o pan-africanismo e o lado trágico da última parte da vida de Fela. Segundo maior ícone mundial da música com origem no terceiro mundo, só atrás de Bob Marley, Fela teve uma vida confusa, com várias polêmicas e faleceu em agosto de 1997 em decorrência de uma complicação devido ao vírus HIV.

(Meu Amigo Fela, 2019)
Documentário Musical Biográfico
94 minutos, Brasil
Direção: Joel Zito Araújo
Prêmios: Prêmio Paul Robeson, como o Melhor Filme realizado na diáspora africana no Fespaco (Festival Panafricano de Cinema e Televisão de Ouagadougou) de Burkina Faso/ Prêmio Especial de Júri – Competição Internacional de Longas e Médias-Metragens” no Festival É Tudo Verdade/  Prêmio de Melhor Documentário do Festival “Ecrans Noirs” do Camarões.

Aretha Franklin: Amazing Grace

Uma das maiores cantoras de todos os tempos, Aretha Franklin, ganha um documentário contando como foi a gravação do álbum ao vivo ‘Amazing Grace’, de 1972. Gravado durante duas apresentações na Igreja Batista de New Temple Missionary naquele ano, o documentário mostra a potência da cantora e o mergulho de Aretha pelas raízes de sua arte cantando para uma plateia fervorosa e emocionada. Na época, as apresentações haviam ganhado registro para cinema, com um documentário dirigido por Sydney Pollack, que seria lançado, a princípio, junto com o disco. O cineasta, no entanto, não usou claquetes e tornou impossível a sincronização das imagens com o som. Engavetado durante anos, e com a artista impedindo seu lançamento, o filme só foi lançado 47 anos depois. Isso após Pollack ceder o material para Alan Elliot, que integrou a equipe de produção na época, e de um acordo com a família de Aretha. Fundamental para os fãs da cantora, a produção mostra esse que é até hoje o álbum gospel mais vendido na história, com 2 milhões de cópias apenas nos Estados Unidos.

(Aretha Franklin: Amazing Grace, 2018)
Documentário Musical Biográfico
89 minutos, EUA
Direção: Alan Elliott, Sydney Pollack

Filmes Música 2019 Minha Fama de Mau Erasmo CarlosMinha Fama de Mau

As cinebiografias brasileiras costumam ficar entre a canastrice quadradona e formas mais ousadas de contar histórias dos ícones de nossa música. ‘Minha Fama de Mau’ opta por fugir do convencional e parte de ótimos pressupostos. É a interessante história do eterno Tremendão Erasmo Carlos, contada a partir da autobiografia ‘Minha Fama de Mau’. Já seriam aperitivos suficientes, mas o diretor Lui Farias encontra uma forma diferente para contar a história de um jovem apaixonado por rock and roll que deseja viver de música. Erasmo é mostrado desde a juventude, aprendendo a tocar guitarra, tendo a sorte de encontrar o apresentador de TV Carlos Imperial e sendo apresentado a Roberto Carlos. Ao lado do parceiro fazem história compondo diversos sucessos e obtendo muita fama. Focado em um momento crucial da cultura no país, o filme foca na música e no auge da Jovem Guarda, e também no novo comportamento dos jovens nos anos 1960.

(Minha Fama de Mau, 2019)
Biografia Musical
116 minutos, Brasil
Direção: Lui Farias
Elenco: Chay Suede, Gabriel Leone, Malu Rodrigues

Filmes Música 2019 Rolling Thunder Revue: A Bob Dylan StoryRolling Thunder Revue: A Bob Dylan Story

Foi uma surpresa quando anunciaram que Martin Scorsese iria lançar um novo documentário sobre Bob Dylan, visto que em 2005 ele já havia realizado um filme sobre o artista. No novo trabalho, o diretor, no entanto, vai por um caminho mais ousado e diferente do usual. Apesar de ser vendido como documentário, ‘Rolling Thunder Revue’ não é bem isso. O filme é descrito como o registro da turnê de mesmo nome, realizada em 1975, em que Dylan levava o álbum Desire à cidades e lugares menores dos EUA. Os fatos mostrados são outros, no entanto. Boa parte dos depoimentos, por exemplo, são encenações. Há encontros inventados, registro de um cineasta que nunca existiu, entre outras invenções. Entre relatos verídicos e falsos, difíceis de separar, o cineasta apresenta uma espécie de pseudo-documentário que mostra como funciona a cabeça de Dylan, com um mundo próprio cercado de mistério, arte, política e lenda. Sem se ater a verdade, Scorsese coloca a figura de Dylan em um patamar de ser mítico, ainda mais intocável, e brinca com esse espírito em torno dele.

(Rolling Thunder Revue: A Bob Dylan Story, 2019)
Documentário musical
142 minutos, EUA
Direção: Martin Scorsese
Onde assistir: Netflix

Guitar Days: Un Unlikely Story of Brazilian Music

Nos anos 1990, o chamado cenário independente era ocupado por uma infinidade de bandas de rock que carregavam uma sonoridade cheia de ruídos e letras cantadas em inglês. Eram as guitar bands, como ficaram conhecidas as bandas daquela espécie de movimento que acontecia em diversas capitais brasileiras e serviu como gênese para o indie rock nacional. Era uma época que a divulgação dos artistas e dos shows era feita através de zines, por flyers e pelo boca a boca. ‘Guitar Days: Un Unlikely Story of Brazilian Music’ conta a história dessa geração, ouvindo gente de bandas, críticos da época, produtores culturais e nomes referência daquela cena, como Thurston Moore (Sonic Youth) e Mark Gardener (Ride). Filmado de forma independente, o documentário faz um panorama daquele cenário mapeando bandas importantes como Pin Ups, brincando de deus, The Cigarettes, Wry, PELVs, Second Come, Hateen, MQN, Garage Fuzz , entre outras.

(Guitar Days: Un Unlikely Story of Brazilian Music, 2018)
Documentário musical
86 minutos, Brasil
Direção: Caio Augusto Braga
Prêmio: melhor filme e direção no Festival Premio Latino del Cine y La Música, na Espanha, e melhor documentário no Indie Nuts Festival – Alemanha.

Filmes Música 2019A Música da Minha Vida

Não há nada de inovador aqui. Um filme indie com uma história comum, mas que traz uma linda declaração de amor a Bruce Springsteen e ao poder da música. O longa conta a história de um rapaz na difícil Inglaterra de Margareth Thatcher dos anos 1980. Ele sofre preconceito por sua ascendência paquistanesa, enquanto sua família tenta impor seus valores e dogmas. Proibido de ter namoradas e de ir a festas, e estimulado pelo pai a seguir uma profissão tradicional, ele encontra nas poesias e na música sua redenção. Passa a enfrentar o mundo quando é apresentado à música de Bruce Springsteen, que parece traduzir seus sentimentos, angustias e duvidas. Baseado nas memórias do jornalista inglês de ascendência paquistanesa Sarfraz Manzoor, o filme toca em temas como racismo, religião e a extrema-direita britânica, mas vale pela forma humana e leve como trata a força da música na vida de um jovem.

(Blinded By The Light, 2019)
Drama, Comédia
117 minutos, Inglaterra
Direção: Gurinder Chadha
Elenco: Viveik Kalra, Kulvinder Ghir, Aaron Phagura

Dorivando Saravá – O Preto que Virou Mar

Dorival Caymmi tem sido alvo de diversos documentários nos últimos anos. ‘Dorivando Saravá – O Preto que Virou Mar’, no entanto, segue um caminho diferente de todos os outros e traz uma visão particular do cantor e compositor baiano. O filme se atém não apenas em contar a sua trajetória, mas em mostrar a profundidade simbólica do mestre. Coloca no patamar adequado a relação de Caymmi com a cultura negra e o candomblé, já que foi ele o primeiro a cantar os Orixás e a introduzir o tempo do candomblé na música popular brasileira. Isso aparece no depoimentos de nomes como Gilberto Gil, Tom Zé, Letieres Leite, Lazzo, Lucas Santtana, Adriana Calcanhotto, Jussara Silveira e Tiganá Santana. Mas também é mostrado através de símbolos da religiosidade de matriz africana e em sons e imagens do mar, tão presente na obra do compositor e espalhados pelo filme. A vida e obra também aparece a partir de falas reveladoras do próprio compositor. Um mergulho imagético na vida, na obra e no mar profundo de Caymmi, sua maneira de ser, de existir, e de pensar. O filme não estreou ainda nos cinemas e deve ser exibido em breve no Canal Brasil.

86min / Documentário musical
Direção: Henrique Dantas

Hitsville: The Making Of Motown

Em seus 60 anos de fundação, a antológica e fundamental gravadora de Detroit, Motown, tem sua história contada por seu fundador, Berry Gordy, seu amigo Smokey Robinson, e vários artistas, cantoras e músicos. O filme mostra a trajetória da gravadora desde seu início em 1958 até sua mudança para Los Angeles no início dos anos 70. Mostra a genialidade de Berry Gordy como produtor e empresário, mas também como visionário, enxergando o poder da música negra em meio à crescente tensão racial da época. Mostra também o engenhoso sistema de linha de montagem para criar talentos, mantendo todas as composições, coreografias e gravações na própria gravadora. Tudo é contado através de um mescla de entrevistas novas e exclusivas com muitos de seus notáveis artistas e estrelas contemporâneas, e de um acervo de imagens de arquivo mostrando performances raras e cenas de bastidores. Então ao mesmo tempo que vemos falas de nomes como Stevie Wonder, Martha Reeves, Dr. Dre, Mary Wilson e Jackson 5 contar a história, temos acesso a imagens históricas dos Supremes, Marvin Gaye, Four Tops e de um pequeno Michael Jackson demonstrando seus passos de dança muito antes da fama.

(Hitsville: The Making Of Motown, 2019)
Documentário musical
112 minutos, EUA
Direção: Direção: Benjamin Turner, Gabe Turner

Ainda Temos a Imensidão da Noite

Mais uma ficção que trata a música quase como um personagem. ‘Ainda Temos a Imensidão da Noite” conta a história de Karenm, uma  trompetista e cantora de uma banda de rock em Brasília. Ela não tem muita sorte e decide tentar seguir sua carreira musical na Alemanha, seguindo os passos de um ex-parceiro músico. Com um elenco formado por não-atores (boa parte é de  instrumentistas), o filme trata de músicos, cidades e arte, mas principalmente em como desprezamos essas três coisas. O filma acaba provocando também uma reflexão e discussão antiga que permanece atual: a disputa comercial dentro da arte, além da descaracterização cultural de grandes centros urbanos.

(Ainda Temos a Imensidão da Noite, 2019)
Drama
98 minutos, Brasil/ Alemanha
Direção: Gustavo Galvão
Elenco: Ayla Gresta, Gustavo Halfeld, Steven Lange

Filmes Música 2019David Crosby: Esse É Meu Nome

Produtor, compositor e guitarrista, David Crosby integrou importantes bandas da história da música, como The Byrds e Crosby, Stills & Nash. Mesmo com a fama e a fortuna, sempre foi uma figura  misteriosa e curiosa. Visto comumente de forma caricata, poucas vezes o público teve chance de conhecer a fundo essa figura muitas vezes polêmica. No documentário, Crosby coloca para fora seus sentimentos, fala abertamente sobre a fama e o rock, sua prisão e reabilitação, seus desentendimentos com sua banda e amigos, seus vícios, seus ataques cardíacos, sua relação ruim com as mulheres. Sem papas na língua, aos 77 anos, ele compartilha sem muito pudor sua trajetória de altos e baixos. O filme acaba mostrando um homem difícil, complexo e apaixonado por música, que ainda excursiona com jovens músicos apresentando seus trabalhos mais recentes. Com Cameron Crowe como entrevistador (ele também é o produtor do filme), o documentário é um retrato íntimo e revelador de um ícone da música, que ainda vive com suas assombrações do passado.

(David Crosby: Remember My Name, 2019)
Documentário musical
93 minutos, EUA
Direção: A.J. Eaton

Filmes Música 2019Antes que me esqueçam, meu nome é Edy Star

Edy Star é uma daquelas figuras únicas, que deixa seu nome marcado na história, mesmo não tendo a popularidade que deveria ou poderia. O documentário conta a trajetória desse baiano de Juazeiro, considerado o primeiro artista Glam do Brasil e dos um mais criativos da contracultura brasileira. A carreira de Edvaldo Souza é contada em depoimentos pelo próprio artista e por parceiros das diversas áreas em que atuou: música, dança, teatro e artes plásticas. O filme narra a história passando pelos cenários culturais das décadas de 1960 a 1980 e por momentos cruciais de sua carreira. Enter elas a passagem pela Radio Sociedade da Bahia, as apresentações debochadas que desafiavam as convenções sociais relativas à sexualidade, a produção do álbum ‘Sociedade da Grã-Ordem Kavernista Apresenta: Sessão das 10’, ao lado de Raul Seixas, Sérgio Sampaio e Miriam Batucada, além é claro de seu icônico disco de estreia, ‘Sweet Edy’. O documentário joga luz sobre um daqueles artistas fundamentais que almejava fama e sucesso no início da carreira, mas acabou conhecido no underground. Assim mesmo, fundamental para nossa música.

(Antes que me esqueçam, meu nome é Edy Star, 2019)
Documentário musical
80 minutos, Brasil
Direção: Fernando Moraes

Filmes 2019 Música Carmine Street GuitarsCarmine Street Guitars

Em meio a restaurantes luxuosos e lojas de roupa para ricos, o decadente Greenwich Village, em Nova York, abriga um templo da guitarra elétrica. Na Carmine Street Guitars, o luthier Rick Kelly e sua jovem aprendiz Cindy Hulej constroem guitarras artesanais personalizadas com madeira recuperada de antigos hotéis, bares, igrejas e outros edifícios do antigo bairro boêmio. Requisitadas por gente como Bob Dylan, Lou Reed, Patti Smith, Jim Jarmusch, as guitarras de Rick Kelly têm uma sonoridade especial. O documentário acompanha a rotina da fábrica e loja por uma semana, com o proprietário, seus colegas de trabalho e vários visitantes falando sobre arte e o valor da loja e de seu ambiente. Em meio a um Rick Kelly tímido, vários músicos da atualidade surgem (Lenny Kaye do Patti Smith Group, Nels Cline de Wilco, Charlie Sexton da Bob Dylan Band, Eleanor Friedberger da Fiery Furnaces) entram na loja, conectam uma das guitarras de Rick no amplificador e tocam, revelando a relação afetuosa deles com a sonoridade e os instrumentos. Um daqueles documentários que exalam uma aura mágica mostrando os prazeres ainda existentes por uma cultura analógica.

(Carmine Street Guitars, 2019)
Documentário musical
80 minutos, EUA
Direção: Ron Mann

Eletronica:Mentes

A música eletrônica não é uma novidade do mundo contemporâneo. Mesmo no Brasil, ela tem uma longa trajetória, que vem desde os anos de 1960. Esse é o foco do documentário ‘Eletronica:Mentes’, que conta a ascensão e o desenvolvimento da música eletrônica no Brasil. São mostrados desde os precursores, Jorge Antunes e Jocy de Oliveira, passando por várias gerações de músicos, até nomes da atualidade. O filme mostra ainda os aprimoramentos dos equipamentos, as performances, histórias curiosas, a produção durante décadas, as diferenças sonoras e os diversos rumos que a música eletrônica tomou no país. O resultado é um estudo profundo de ritmos e sonoridades que se basearam no uso da tecnologia eletrônica.

(Eletronica:Mentes, 2019)
Documentário musical
75 minutos, Brasil
Direção: Dácio Pinheiro, Denis Giacobelis, Paulo Beto

Filmes Música 2019 Blue Note RecordsBlue Note Records: Beyond the Notes

Para os fãs de jazz o selo Blue Note é uma referência obrigatória. Fundada em 1939, a gravadora foi responsável por lançar boa parte dos artistas e discos mais importantes do gênero. Seu catálogo inclui, por exemplo, obras antológicas de Thelonious Monk, John Coltrane e Herbie Hancock. Mas além da contribuição musical, o Blue Note também foi responsável por uma revolução estética e social, sendo responsável tanto pela inovação do bebop, nas décadas de 1940 e 1950, como pela briga de músicos negros por mais espaço e pelo conflito entre arte e mercado. O documentário mostra os bastidores por trás disso tudo, apresentando as ideias e os profissionais que fizeram da Blue Note Records uma das gravadoras mais importantes do jazz e da música.

(Blue Note Records: Beyond the Notes, 2019)
Documentário musical
86 minutos, EUA, Suiça
Direção: Sophie Huber

Amazônia Groove

A descrição desse documentário resume muito bem a proposta: “Um mergulho apaixonado na música regional da Amazônia”. O filme faz exatamente isso, traçando um panorama da produção musical da região Norte, especialmente na música característica do Pará. É um retrato das histórias dos músicos da região, que criaram ritmos tradicionais, que, com os avanços tecnológicos, culminaram no desenvolvimento de gêneros musicais como o tecnobrega. A proposta é mostrar as tradições e as novidades musicais que se cruzam e pulsam na região, não deixando de contextualizar com as características do lugar, desde a forte presença da natureza até as fascinantes vidas dos moradores. Destaque para ritmos como Carimbó, Búfalo Bumbá, Guitarrada, violão clássico amazônico, sofrência, tecnobrega e canções de devotos em procissão. Um mundo desconhecido da maioria dos próprios brasileiros. Entre as personalidades que aparecem no filme estão a veterana compositora Dona Onete, o multi-instrumentista Manoel Cordeiro, o violonista Sebastião Tapajós, o pescador cancioneiro Mestre Damasceno, o compositor Paulo André Barata, o pesquisador Albery Albuquerque, o rapper Mg Calibre, o DJ Waldo Squash e a diva do brega Gina Lobrista.

(Amazônia Groove, 2019)
Documentário musical
85 minutos, Brasil
Direção: Bruno Murtinho

Tagged under:

, , ,

4 Comentários

  1. Pingback: Strokes volta bem com inédita e show com invasão da polícia | » Para quem gosta de música sem preconceitos

  2. Pingback: Novos videoclipes da Música Brasileira Contemporânea | » Para quem gosta de música sem preconceitos

  3. Pingback: Tarja Turunen (ex-Nightwish) tem show confirmado em Salvador » Para quem gosta de música sem preconceitos

  4. Pingback: A-ha anuncia turnê pelo Brasil com show em Salvador | » Para quem gosta de música sem preconceitos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Log in