Para quem gosta de música sem preconceitos - el Cabong

Oito festivais promovem edições online em prol de profissionais da música

Assim como os shows em todo Brasil, os festivais de música tiveram suas edições este ano suspensas ou adiadas devido à pandemia do novo coronavírus, paralisando um setor que movimenta a economia e emprega milhares de pessoas. Foi pensando nisso que oito festivais de várias partes do Brasil se juntaram, com patrocínio da cervejaria Devassa, para o ‘Festival dos Festivais, Devassa Tropical ao Vivo’. Durante 4 dias, de 30 de abril a 3 de maio, 34 artistas vão se apresentar, de suas casas, através de lives pela internet para arrecadação de recursos destinados à cadeia de profissionais da cena musical independente. O festival Radioca, representante da Bahia no coletivo, abre o evento online com shows de Josyara, Mallu Magalhães, Teago Oliveira e Anelis Assumpção com Curumin. Além deles nomes como Chico César, Luedji Luna, Marcelo Falcão, Jards Macalé e Larissa Luz estão programados.

Veja também:
Veja a programação de shows, lives e festivais que acontecem na internet dos estilos mais diversos.

Mercado de música da Bahia e do Brasil sofrem fortes impactos com isolamentos.

Fruto de uma soma de esforços dos festivais Radioca (BA), Bananada (GO), Carambola (AL), DoSol (RN), GTR (PE), Sarará (MG), Se Rasgum (PA) e Wehoo (PE) com a cervejaria, o evento visa promover diversão e arte para o público e o impulsionamento do mercado de música, um dos maiores afetados pelas medidas contra o COVID-19. Durante o evento, que poderá ser visto no canal da marca no YouTube (www.youtube.com/devassa), será promovida uma campanha de arrecadação com os investimentos sendo direcionados para doações aos profissionais do setor musical que foram prejudicados. A ajuda direta do público será por meio da plataforma Sympla. No site, durante os quatro dias do ‘Devassa Tropical Ao Vivo’, serão disponibilizadas cotas de doações.

Para Carol Morena, produtora do Radioca, o Festival dos Festivais encabeça uma campanha muito importante para o setor. “A aglomeração de pessoas está no DNA do que fazemos, então não temos perspectiva de trabalho”. Ela lembra que apenas a última edição do Radioca, em 2019, empregou cerca de 600 pessoas e que, com o isolamento e suspensão das atividades, todas estão paradas. “Este evento é para estimular doações do público para toda essa cadeia produtiva. Estamos ao lado de 8 outros festivais irmãos pelo Brasil, que admiramos muito, pra somar forças e estimular que o publico doe o que seria o ingresso do show”.

Ela ressalta o comprometimento e participação dos artistas para a programação final. “Artistas incríveis juntaram-se a nós. Vamos aproveitar a força conjunta que temos de comunicação pra chamar a atenção. Fazer barulho é uma coisa que sabemos fazer e vamos precisar do apoio de todo mundo”.

PROGRAMAÇÃO:

• Dia 30 (quinta-feira):

17h – FESTIVAL RADIOCA
Josyara/ Mallu Magalhães/ Teago Oliveira/ Anelis Assumpção & Curumin

20h – FESTIVAL GTR
Mestre Anderson Miguel/ Tagore/ Lia de Itamaracá & DJ Dolores/ Shevchenko e Elloco

• Dia 01 (sexta-feira)

17h – FESTIVAL WEHOO
Flaira Ferro + Biarritz/ Francisco el Hombre + Luê/ Marcelo Falcão/ Atração surpresa

20h – FESTIVAL DOSOL
Plutão já Foi Planeta/ Luisa e Os Alquimistas/ Potyguara Bardo/ Heavy Baile

• Dia 02 (sábado)

17h – FESTIVAL CARAMBOLA
Zeca Baleiro/ Ana Cañas/ Wado e Mopho/ Chico César

20h – FESTIVAL  SERASGUM
André Abujamra e Marisa Brito/ Jards Macalé/ Keila/ Larissa Luz

• Dia 03 (domingo):

17h – FESTIVAL SARARÁ
Mariana Cavanellas/ Luccas Carlos/ Luedji Luna/ Rael

20h – FESTIVAL BANANADA
Felipe Cordeiro/ Boogarins/ Tulipa Ruiz/ Liniker e os Caramelows

Fundador do festival Bananada e um dos idealizadores e produtores do projeto, Fabricio Nobre diz que ficar em casa é a única opção, mas é assustador se ver numa situação de não realizar os eventos. “Tentar fazer algo para que você e sua turma consigam ter o mínimo de sanidade, uma ajuda em grana para conseguir passar por isso, é o que motiva a pensar e agir mesmo sem ter um palco,  gente junta, cantando, dançando, bebendo, se abraçando, que é isso que no final a gente promove”, diz.

A apresentação dos shows será com o DJ, radiomaker e diretor artístico Patrick Tor4, promovendo interatividade com os artistas e com o público. O apresentador também está à frente do Podcast Tropical Transforma da Devassa, iniciativa que dá voz a personagens da música tropical brasileira. O podcast, disponível no Spotify, já recebeu artistas como Otto, Romero Ferro, Alice Caymmi e Felipe Cordeiro.

Acompanhe novidades nas redes sociais da Devassa e na #DevassaTropicalAoVivo.

Saiba mais sobre cada um dos festivais:

RADIOCA (Salvador – BA)
Desde 2015, o Festival Radioca mergulha na música brasileira valorizando sua diversidade, misturando diferentes estilos e incentivando o público a se deparar com o novo. Originado do Programa Radioca, da Rádio Educadora 107.5 FM, a curadoria busca apresentar artistas e acontecimentos musicais relevantes, numa identidade que acredita na inovação, escapa de obviedades, fisga tendências e coloca em contato, numa mesma plateia, gente de múltiplos interesses, consolidando o lema de “A música que você ainda vai ouvir”. Com cinco edições realizadas, e figurando entre os principais eventos musicais do país, o Radioca já levou aos seus palcos 53 shows e artistas de todas as regiões do Brasil. Em 2019 foram cinco dias de programação em três locações diferentes de Salvador, com apresentações de Céu, João Donato, Tulipa Ruiz, Afrocidade, entre outros nomes da cena contemporânea.

BANANADA (Goiânia – GO)
Como uma expoente janela para a nova cara da música autoral mundial, o Bananada está há mais de duas décadas no centro do país e no circuito dos festivais nacionais. Em toda sua história, o evento preza por oferecer música, cultura urbana e gastronomia em uma semana inteira de shows com nomes atuais e importantes da música brasileira, intercalando com ações e atrações internacionais.

CARAMBOLA (Maceió – AL)
No calendário cultural de Alagoas há 4 anos, o Festival Carambola se tornou referência e uma janela aberta para os artistas do estado. Em seu palco, grandes nomes nacionais dividem espaço com os talentos mais promissores da terra de Zumbi dos Palmares. Unindo experiências sensoriais, gastronomia e intervenções artísticas, o evento é muito mais do que um festival de música: se consolidou como uma vitrine da arte em suas mais variadas camadas. A programação engloba uma semana de capacitação e debates que antecede os dias de shows. O Carambola é democrático e colorido: como tudo que é feito com amor tende a ser. Sua 4ª edição acontece em novembro, em Maceió/AL.

DOSOL (Natal- RN)
Desde 2002 na ativa, o Festival DoSol é um dos mais tradicionais eventos de música do Nordeste brasileiro, dando palco para artistas da região misturando nordestinidade com a música do mundo. Nos últimos três anos, teve como palco a beira da praia de Ponta Negra, uma das paisagens mais icônicas de Natal/RN, completando a experiência única que mistura boa música e natureza. Para a programação do Festival dos Festivais, o DoSol compôs um lineup todo nordestino com foco na música potiguar.

GTR (Recife – PE)
O Guaiamum Treloso Rural é o único festival de música independente de Pernambuco que coexiste com a natureza. Realizado na fazenda Bem-Te-Vi, em Aldeia, a cada edição o GTR cativa o público exigente do estado que valoriza a diversidade cultural, podendo apreciá-la em uma estrutura gigantesca que se inova a cada ano. Grandes nomes nacionais e regionais da música brasileira já fizeram parte da programação nos últimos 4 anos. Performances artísticas, maracatu, intervenções e experiências únicas também encantam o público durante as 14 horas ininterruptas de festival. Ao mesmo tempo, o GTR se empenha em conscientizar a todos sobre a preservação do meio ambiente através de instalações de reciclagens, e disponibiliza um tipo de ingresso cuja renda é destinada a projetos ambientais.

SARARÁ (Belo Horizonte – MG)
O Sarará é um festival de sentir. Desde 2014, provoca o sentir – para despertar, aceitar, conviver e evoluir – na música e nos encontros. Sarará é uma ideia de valorização e liberdade de gente, em toda a sua complexidade. Uma experiência de união de sentidos entre público, produção e arte. Como festival, promove mais do que um encontro. Produz uma celebração da multiplicidade: uma experiência de entender, refletir, acolher e conectar.

SE RASGUM (Belém – PA)
Desde o início dos anos 2000, a Se Rasgum já realizou mais de 200 eventos que deram oportunidade a mais de 500 bandas locais, nacionais e internacionais de apresentarem seu trabalho autoral para o público paraense e imprensa especializada. Além dos shows e outros eventos culturais, realizadas desde 2003, a produtora idealizou, organizou e produziu 14 edições do Festival Se Rasgum, o maior da região Norte em seu nicho de mercado e considerado um dos cinco festivais de música independente mais importantes do País. Além dos shows, que se estendem por todo um final de semana, o Festival ainda promove uma conferência sobre mercado musical e cultural chamada Music on the Table, oportunidade de compartilhamento e fomento de novas ideias, além de promover uma rodada de negócios para compra e venda de shows. Há 5 anos desenvolveu mais um festival: Sonido – Música Instrumental & Experimental, gratuito no Mercado de Carnes Francisco Bolonha, em pleno Ver-o-Peso.

WEHOO (Recife – PE)
“WE” é o sujeito e “ihuu” é a ação. Vale lembrar que não existe sujeito sem ação e nem ação sem sujeito. Assim nasceu o Wehoo Festival, em 2019, exatamente no berço da diversidade cultural de Pernambuco. Sem rótulo, mas com forte identidade, o Wehoo tem como princípio a união de várias tribos, independentemente do seu gosto, cor, idade, classe social e gênero, afinal o que importa é ser inclusivo. Já em sua primeira edição, nomes como Jorge Ben Jor, Natiruts, Baianasystem, Duda Beat, Matuê e Baskhar deram o tom eclético do festival que surgiu se consolidando no calendário da cidade. O Wehoo reuniu 15 mil pessoas que contaram com 3 palcos, mais de 15 horas de música, plataformas de acessibilidade e doações de alimentos e toneladas de resíduos encaminhados para reciclagem.
É para todos, é coletivo, é plural. A ideia é gerar conexões e links do entretenimento com as temáticas sociais e sustentáveis que norteiam o cotidiano.

Conheça mais dos artistas que se apresentam no Radioca:

JOSYARA

MALLU MAGALHÃES

TEAGO OLIVEIRA

CURUMIN E ANELIS ASSUMPÇÃO

3 Comentários

  1. Pingback: Festival DoSol Sessions apresenta 32 dias de conteúdo online, inédito e interativo » Para quem gosta de música sem preconceitos

  2. Pingback: Principais festivais pelo mundo já cancelaram suas edições em 2020 » Para quem gosta de música sem preconceitos

  3. Pingback: Festivais brasileiros aportam de vez na internet com inovações | » Para quem gosta de música sem preconceitos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Log in