Para quem gosta de música sem preconceitos - el Cabong

Festival In-Edit divulga programação em Salvador

inedit

 

Por mais que muita gente ainda não conheça, o Festival In-Edit em Salvador já está virando tradição. Em anos com melhores condições e estrutura e em outros, como esse, acontecendo da forma possível, o evento já é um marco para quem gosta de música das várias vertentes em Salvador e esse ano mais uma vez traz obras imperdíveis. Em 2014, o evento em sua sexta edição se muda para a Sala Walter da Silveira (Biblioteca Pública dos Barris),  onde recebe de 12 a 18 deste mês de maio 20 filmes de diversos países.

A abertura, no dia 12, às 20h, será com ” Olho Nu”, filme de Joel Pizzini, que fala sobre a vida e a obra do cantor Ney Matogrosso, em seus mais de 40 anos de carreira. O festival terá ainda filmes sobre Nelson Triunfo, Cauby Peixoto, Mário Lago, mas também sobr eo Circo Voador, no Rio de Janeiro, as damas do samba, e um panorama sobre o rap no Brasil.  

Entre os internacionais, destaque para um documentário sobre as backing vocals da música americana, outro sobre a obscura banda do proto punk Death e um outro sobre a vocalista do Bikini Kill e Le Tigre.  O convidado e homenageado desta edição é o cineasta holandês Frank Scheffer, que terá exibido um filme sobre a vida e obra de Frank Zappa.

Serão exibidos 11 títulos inéditos, entre eles, “Âncora do Marujo”, de Victor Nascimento, que apresenta o último reduto transformista de Salvador. Ingressos: R$ 6/R$ 3.

 

VEJA AQUI PROGRAMAÇÃO COMPLETA POR DIA

LISTA DE FILMES E SINOPSES

Com asteriscos as indicações do el Cabong

I. PANORAMA BRASILEIRO

A FARRA DO CIRCO
(Roberto Berliner e Pedro Bronz, Brasil, 2013, 93’)
Roberto Berliner resgatou todo o material que filmou sobre o Circo Voador, desde a colocação da lona no calçadão do Arpoador até a viagem para a Copa do México em 1986. Liderado por Prefeito Fortuna, o Circo foi plataforma de lançamento para toda uma geração, que veio anos mais tarde escrever seu nome entre os grandes da música brasileira.

A LINHA FRIA DO HORIZONTE
(Luciano Coelho, Brasil, 2013, 97’)
Não é de hoje que existe uma forte conexão entre os nossos gaúchos, os uruguaios e os argentinos. O brasileiro Vitor Ramil, os uruguaios Daniel e Jorge Drexler e o argentino Kevin Johansen são alguns dos artistas que, por meio de suas criações, refletem sobre as questões da identidade local permeadas pelo frio, pela carne em brasa e pelo mate.

CAUBY: COMEÇARIA TUDO OUTRA VEZ
(Nelson Hoineff, Brasil, 2013, 90’)
Hoje, com 80 anos feitos, Cauby Peixoto repassa sua vida e sua obra com sabedoria adquirida com o tempo e nos convida a passear por décadas passadas, por uma música que se foi, de um país que não existe mais. Mas o tempo não para, e Cauby continua na ativa para deleite de uma legião renitente de fãs.

*OLHO NU
(Joel Pizzini, Brasil, 2013, 101’)
Ney Matogrosso encanta o Brasil e o mundo há mais de quatro décadas. Sua relação hipnótica com a plateia e sua poderosa interpretação musical já são uma marca no imaginário brasileiro. Neste ensaio cinematográfico dirigido por Joel Pizzini, Ney se mostra aos 70 anos, muito a vontade frente às câmeras. Aqui, ele revê sua vida pessoal e sua carreira – e abre seu arquivo com mais de 300 horas de imagens históricas.

*TRIUNFO
(Caue Angeli e Hernani Ramos, Brasil, 2014, 84’)
Quem já viu Triunfo dançar nunca esquece sua figura e carisma inconfundíveis. O pernambucano Nelson Triunfo chegou a São Paulo em 1977 e foi um dos impulsores do movimento Black no Brasil. Pioneiro do Break Dance, foi inspiração para milhares de jovens que viram no Hip Hop uma forma de transformar suas vidas. Daí o título de Pai do Hip Hop no Brasil, um artista reverenciado por todos.

A BRIGA DO CACHORRO COM A ONÇA
(Hidalgo Romero e Alice Villela, Brasil, 2013, 58’)
“A Briga Do Cachorro Com A Onça” é um tema popular tocado em diferentes versões por bandas de Pífano em todo o país. O filme traz uma versão cinematográfica da lenda e presta homenagem a milhões de nordestinos que tiveram que fugir da seca entre 1950 e 1980.

ÂNCORA DO MARUJO
(Victor Nascimento, Brasil, 2014, 72’)
O Bar Âncora do Marujo é o último reduto transformista de Salvador. Lá, todos os anos, acontece o concurso Garota Marujo, que escolhe quem se apresentará regularmente na casa durante os próximos 12 meses. Seu proprietário, Fernando, conta sua história, abre o bar e nos apresenta uma série de personagens, gente em busca de algo que dê um pouco mais de emoção à vida, desde diversão até a aceitação da sua condição sexual ou social.

APRENDER A LER PRA ENSINAR MEUS CAMARADAS
(João Guerra, Brasil, 2013, 84’)
Os angolanos Wyza Kendy e Dodô Miranda embarcam em uma viagem pela Bahia que acaba transcendendo o musical e refazendo um elo perdido de sua ancestralidade. Através de encontros com artistas baianos que preservam as raízes africanas, os dois reconhecem aspectos de sua cultura esquecidos em Angola, mas que permanecem intactos no Brasil.

DAMAS DO SAMBA
(Susanna Lira, Brasil, 2013, 75’)
Desde que o samba surgiu no Rio de Janeiro, a presença feminina foi fundamental para a sua criação, manutenção e perpetuação. Hoje não é diferente. Musas, pastoras, tias, compositoras, passistas, madrinhas, carnavalescas, intérpretes e operárias, elas formam um painel de cores, sentimentos e sons na representação desta cultura.

MARIO LAGO
(Marco Abujamra e Markão Oliveira, Brasil, 2013, 93’)
Mario Lago, muito antes de fazer novelas na TV, já era um dos maiores compositores de sambas da história da música brasileira. Co-autor de clássicos como “Aurora”,”Ai, que saudades da Amélia” e “Atire a primeira pedra”, entre tantos outros, Mario circulava na boemia carioca desde anos 1930. Neste filme, Mario Lago está de volta à cena, para colocar as coisas no lugar.

*O RAP PELO RAP
(Pedro Henrique Fávero, Brasil, 2014, Blu-Ray, 73’)
Neste documentário, o diretor Pedro Henrique reuniu 42 personagens – entre MCs, DJs e produtores – para fazer um mapa geral e detalhado do gênero no país. Sem papas na língua, eles falam sobre os 8 temas propostos pelo diretor e procuram explicar (e entender) o significado do Hip Hop no Brasil.

II. PANORAMA MUNDIAL

*20 FEET FROM STARDOM
(Morgan Neville, EUA, 2013, 87’)
Elas são donas das vozes mais poderosas e disputadas da música pop, mas você não as conhece. Elas são as backing vocals que acompanham gente como Rolling Stones, Lou Reed, Steve Wonder, Ray Charles, entro outros. A poucos metros do estrelato, essas mulheres brilham no anonimato e nos emocionam com suas histórias. Um tributo comovedor que rendeu ao diretor Morgan Neville o Oscar 2014 do melhor documentário.

*A BAND CALLED DEATH
(Mark Covino e Jeff Howlett, EUA, 2012, 96’)
O Protopunk está na boca do povo. Fãs do Garage Rock procuram em sebos e na internet por bandas que, antes da explosão Punk, já soavam como tal. Esse é o caso do Death, um grupo formado em 1971 pelos irmãos Hackney, em Detroit. O único registro que deixaram foi uma demotape, gravada em 1975, com pouco menos de meia hora de música. Isso basta para contar essa bela história e homenagear um dos irmãos Hackney, já morto.

AS THE PALACES BURN
(Don Argott, EUA, 2014, 121’)
Tudo ia bem na turnê europeia da banda de metal Lamb of God, até que o vocalista Randy Blythe é preso em Praga, acusado da morte de um fã. O episódio dá início a uma odisseia que coloca em xeque o futuro da banda e faz deste documentário um dos mais interessantes da safra recente.

BAYOU MAHARAJAH: THE TRAGIC GENIUS OF JAMES BOOKER
(Lily Keber, EUA, 2013, 98’)
James Booker é um desses diamantes brutos que New Orleans guardou para si. Pianista brilhante, o Blues e o Jazz sempre fizeram parte de sua vida. Entusiasta de festas, bebidas e qualquer substância que pudesse tirá-lo de órbita, acabou desenvolvendo uma carreira conturbada e errática. Este filme vem resgatar sua obra e principalmente o grande carisma deste artista, morto em 1983.

GOOD OL’ FREDA
(Ryan White, Reino Unido/EUA, 2013, 86’)
A história dos Beatles contada por um personagem que ficou oculto em toda a trajetória da banda: a secretária Freda Kelly. Do Cavern Club à dissolução em 1970, ela cuidou de toda a comunicação oficial do grupo, tratou dos assuntos pessoais e presidiu o Fan Club sempre com muita discrição Depois de décadas de silêncio, ela aceitou abrir seu arquivo pessoal, revelando segredos capazes de surpreender o mais fanático dos beatlemaníacos.

MISTAKEN FOR STRANGERS
(Tom Berninger, EUA, 2013, 75’)
Matt Berninger, líder e vocalista da banda The National, convida seu irmão mais novo, Tom ,para acompanhá-lo em uma turnê. A ideia era oferecer ao caçula uma oportunidade de se ocupar e ganhar algum dinheiro trabalhando como roadie. Mas Tom, fã de heavy metal e de cinema, tem outros planos para esse “estágio familiar”. Um dos grandes documentários musicais de 2013.

*THE PUNK SINGER
(Sini Anderson, EUA, 2013, 81’)
Vencedor do In-Edit Barcelona 2013, o filme conta a vida de Kathleen Hanna, líder das bandas Bikini Kill e Le Tigre. Sem medo da câmera, ela escancara sua vida, os abusos psicológicos que sofreu na infância, sua amizade com Kurt Cobain, sua luta incansável pelos direitos femininos e a doença que a retirou dos palcos. Neste retrato seco de uma das artistas mais influentes da atualidade, a incansável riot girl surpreende mais uma vez.

*VIVE LE ROCK
(Alessandro Valenti , Itália/2013, 45′)
“Vive Le Rock”, é uma ficção apresentada como se fosse documentário, protagonizada pelo ator Donato del Giudice. Com enredo simples, o filme dá grande destaque para a jovem banda baiana Vivendo do Ócio, com cenas captadas durante sua turnê europeia.

III – RETROSPECTIVA FRANK SCHEFFER

FRANK ZAPPA: A PIONEER OF THE FUTURE OF MUSIC
(Frank Scheffer, Holanda, 2007, 106’)
Sobre a vida e obra do compositor, guitarrista e gênio norte-americano Frank Zappa. Seus ex-companheiros contam como ele era, como se relacionava, como criava e como destruía para criar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Log in