Para quem gosta de música sem preconceitos, numa visão a partir da Bahia - :: el Cabong ::

Faixa a faixa: Josyara destrincha seu disco Mansa Fúria

Vinda de Juazeiro, desde que surgiu tocando nos bares de Salvador, Josyara chamou atenção pelo violão marcante, a voz firme com um assumido sotaque do sertão e um punhado de canções primorosas. A cantora e compositora tinha apenas um álbum lançado, ‘Uni Versos’, ainda com o nome Josy Lélis, mas ainda precisava confirmar em disco a força de sua música. Com ‘Mansa Fúria’, disco produzido por Junix 11, ela cumpre as expectativas. A obra traz o universo de Josy, seu violão percussivo dialoga com elementos eletrônicos, numa aproximação de sertão e metrópole e de suas raízes com a contemporaneidade. Em ‘Mansa Fúria’ ela trata de temas do cotidiano, sem se furtar de fazer crítica social, e abordar racismo e a reafirmação da liberdade sexual. É para entender mais do disco que pedimos para a artista fazer um faixa a faixa, contando um pouco de cada uma das canções presentes no disco:

Apreciação
A letra veio junto com a melodia. Cantava com saudade do mar da Bahia, do calor e da maresia. Ela fala também desse olhar pra dentro, festejar e questionar o nosso interior. O arranjo do violão foi feito com o tempo. No processo de pré produção com Junix 11 (produtor musical), teve um dia que faltou luz no estúdio dele e ficamos tocando ela em loop, buscando caminhos. Assim se deu a forma que está no disco. Os elementos eletrônicos de base foram criados por Junix em cima do violão e voz, dialogando ritmos do samba reggae e chula.

Você que Perguntou
Essa música fala de São Paulo, reafirmando meu desejo de cantar o que sinto e as coisas que me comovem, me atingem. Quisemos trazer sons mais de ruídos, a cidade grande cheia de informações. May HD participou trazendo som de vinil destorcido. Baixo synth e samples foram acrescentados ao violão. Achei legal trazer essa vinheta logo no começo do álbum.

Nanã
Essa é bem especial pra mim. Ela é uma parceria com Luê (PA) amiga de Belém, cantora, compositora e rabequeira que admiro muito. É uma letra que diz sobre estar em busca de mudanças, reconhecer e admitir que o sofrimento é uma tempestade que deve ser ouvida e respeitada, mas que a dor não deve te estagnar. Fala da autocura, da mãe ancestral dando colo e conselhos e também da fé em seguir. A sonoridade dela tem bastante influência do Dub, com graves e silêncios, deixando a parte A da canção flutuante, mas com peso. A parte do refrão entra no sertão, quase um aboio. É a raiz, a intuição dando respostas.

Rota de Colisão
É a música mais romântica do disco. Diz da explosão de sentimentos ao encontrar alguém. A letra fala dessa paixão de misturando a paisagem da caatinga, fala de corpos celestiais, comparando os corpos dos amantes. Os som moderno do synth e a levada da bateria, se juntam ao arranjo dos pifes, levando a cantoria para um estética moderna sem perder a essência da canção e o balanço que o violão traduz.

Solidão Civilizada
Com arranjo de voz manso, quase falando, a música imerge no estar sozinha em uma metrópole. A escolha da solidão, o voltar pro ventre. É uma meditação para perder o medo de encarar a si mesmo. A música tem influência do dub, com baixo synth presente e bateria mais linear. Flautas dão textura para base, com frases e efeitos percussivos.

Fogueira
A faixa voz e violão foi gravada ao vivo. Junix manipulou pedal “Memory Man” na voz em tempo real. O delay é foco da sonoridade dela dando ambiências precisas na interpretação do violão. É uma música alegre, fiz para um amiga querida. A letra realça a beleza da mulher livre, que deseja outra mulher e que tem muita força e presença.

Mansa Fúria
É a canção mais antiga do disco, tem uns 10 anos. Comecei a revisitar umas composições e quando relembrei dela me deparei com algo muito real, com sentimentos do agora. Fazia sentido aquilo tudo, tanto que ela deu nome ao disco. Ela começa violão e voz. Na letra quase um lamento, a duvida, a perda da alegria e a vontade de amar de novo. Assim como as águas que se renovam. As ondas que nascem e quebram. O som de base entra com a repetição da voz – “mar, mar, mar…” dando reviravolta no arranjo. O fagote surge com pedal “noize” e fraseados, elemento surpresa do disco, sendo um instrumento bem incomum na música popular, ele cria as sensações que a letra diz na primeira parte, com dissonâncias e abertura de vozes. O instrumental da faixa é o divisor de águas do disco, sintetizando a sonoridade do “Mansa Fúria”.

Cochilo
Gravamos a faixa instrumental ao vivo. Enquanto tocava o violão tema, Junix fazia efeitos e texturas em um violão microtonal. O nome da música veio porque ela me remete a uma música de ninar.

Temperatura
É uma faixa quente e dançante. Não poderia ser diferente pois fiz essa música em homenagem ao verão da Bahia. Ela fala das frutas locais, de compartilhar o calor com quem a gente gosta. No balanço do violão ela percorre de várias faces rítmicas. O desafio do arranjo feito por Junix era deixar a base mais uniforme valorizando cada parte e variação. Ela é crescente, pra cima!

Engenho da dor
É a letra mais política do disco. Ela afirma a direção contrária da opressão que vivemos, de forma direta e clara.
O naipe de fagote e interversão eletrônica, com a manipulação da voz e teclas, é o que dá o clima para a musica crescer no refrão. É o momento de reflexão. O lado fúria.

Terra Seca
Ela fala o que é pra mim acreditar nas minhas ideias, no meu curso de vida. Tem uma poesia mais lírica, que parece relato de sonho cheio de símbolos. Essa canção imprime o sentimento de insistência de confiar no prazer de fazer o que ama mesmo com tudo dizendo que não. O fagote mais uma vez aparece no arranjo, com mais participação harmônica quando o naipe faz a cama para a voz cantar mais livre na repetição da música.

Remanso
A ultima faixa do disco é uma canção que conta das minhas memórias de casa em Juazeiro (BA). Compus para minha irmã mais nova em um momento de grande saudade.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log in