Para quem gosta de música sem preconceitos - el Cabong

Entrevista lançamentos: Andre Mendes

Conhecido como líder do Maria Bacana, o músico Andre Mendes fala em entrevista sobre seu primeiro disco solo, ‘Bem Vindo a Navegação’.

Estamos dando início a uma série de entrevistas com quem está lançando ou já lançou disco na Bahia em 2010. Para começar, ouvimos o experiente Andre Mendes, que já passou por bandas como Maria Bacana e Os Culpados e agora está lançando seu primeiro disco solo, ‘Bem Vindo a Navegação’. O álbum está disponível na internet e em breve chega na versão física. André estréia a série, que prossegue nas próximas semanas ouvindo quem soltou álbum no ano.

Veja também outras entrevistas no el Cabong

——————————————————–

Andre Mendes

Quem: Andre Mendes

O Que: Disco “Bem Vindo à Navegação”

Formato: Digital (por enquanto)

Onde: myspace.com/andremendesmusica

Por quem: Independente

Preço: Audição gratuita

——————————————————–

– Gostaria que você contasse como foi a concepção do disco. Há um conceito nele?

Andre Mendes – O disco começou a ser concebido quando comecei a ouvir,com muito mais freqüência,musicas solares e leves.sempre fui de ouvir e produzir musica com a angustia como matéria prima,acho que essa é a minha escola mas calhou de começar a ouvir muito lulu santos, beach boys ,Caetano e beatles. Daí deu um estalo de fazer uma musica que fosse minha e não uma emulação das minhas velhas influências.

O conceito do disco que passa pelo título “bem-vindo à navegação” é a aventura que é viver…estamos nessa sem escolha e devemos agarrar a “aventura” com unhas e dentes…e também com leveza!

– Como foi o processo de produção e gravação?

Conversando com meu amigo Álvaro tattoo sobre esse ,naquele momento,futuro disco ele me perguntou onde eu gravaria e quem produziria,e eu não tinha a mínima idéia…ele me indicou André t,que eu não conhecia pessoalmente.

Fiz o contato com André e logo começamos a gravar (junho do ano passado) de uma forma,pra mim,inédita…com a base feita “na canção”,no violão…depois vieram a bateria de Rex, a percussão de Anderson Jamaica e o teclado,contrabaixo e backing vocais do próprio André t.

Fechamos o disco em dezembro do ano passado mas retornei a ele pra refazer vozes,que estavam aquém do resto do disco,em agosto desse ano.

Eu assino a produção e André t. co-produz

– Quais foram as principais influências durante a criação do álbum?

O porto da barra, o verão de 2009 (época que compus as canções),a vida de casado,Beatles,caetano,lulu santos e Jack Johnson.

– Como ele está sendo lançado e como encontrá-lo?

Ele está sendo pensado,produzido,custeado e lançado de forma totalmente solo e independente.

Mas quero que ele chegue ao maior numero de pessoas . Ele está no meu myspace (www.myspace.com/andremendesmusica) pra audição, estará no meu site oficial (www.andremendesmusica.com.br) pra audição e download ainda no mês de setembro e em outubro estará nas lojas com distribuição da Tratore.

– Gostaria que fizesse uma análise da sua evolução musical desde o inicio da carreira até este disco.

Comecei a tocar pra imitar James hetfield aos 13,14 anos mas logo aos 16 bateu uma neura de ser entendido e compor em português então a banda que eu tinha passou de Masterbrain pra Maria Bacana,de inglês pra português.gravamos uma demo e fomos contratados pelo selo Rock it! Do Dado Villa-lobos da Legião Urbana que correu pra contratar a gente porquê sabia que o selo Chaos da Sony Music estava nos procurando (nós não sabíamos disso)…menos de uma semana após enviar a fita demo já estávamos contratados, Ele (Dado) achou que parecíamos o Aborto elétrico na sonoridade e nas letras, o refrão de uma musica nossa era muito parecido com um do Aborto Elétrico; “Você me faz pensar no porquê das coisas”(MB) era muito parecido com “você me faz pensar demais”(AE) e não tínhamos como saber disso pois a musica não tinha,até então,sido gravada.

Lançamos o disco da Maria Bacana em 1997, tocamos muito no Rio de Janeiro (lá achavam que a banda era carioca),fizemos Abril pro Rock,Close Up planet,Expo Alternative…Aí nosso baixista saiu e desestabilizou a banda…voltamos pra Salvador pra refazer a banda com Lêfê (Stone Bull/Marcio Mello) e até colocamos mais uma guitarra (Paulinho Oliveira) mas a banda estava desgastada,eu estava perdido enquanto compositor.

Maria Bacana acaba.Maria Bacana volta…gravamos algumas demos mas nada com muito brilho ou especialidade…Lelê chega a voltar pra banda,gravamos uma demo massa mas ele fica bem doente e os planos vão por água abaixo.

Meu amigo Michael me liga e diz que o vocalista da sua banda (Los Canos)saiu nas vésperas do lançamento do seu disco de estréia e me pergunta se eu poderia fazer esse show com eles, eu aceito e esse show vira um ano de shows com a Los Canos;ao mesmo tempo monto uma banda de amigos de escola “Os Culpados” que terminou de maneira bem desgastante e me levou,definitivamente, pra onde estou hoje e pretendo ficar pro resto da minha carreira…solo.

Hoje faço um som que,obviamente,tem influência de outros artistas mas que é uma musica definitivamente minha.sou eu,enquanto ser humano,me expressando artisticamente com uma simplicidade e leveza que aprendi a muito pouco tempo.

– Porque em tempos de MP3 ainda lançar um álbum?

Porquê tem um respaldo e uma magia que um arquivo de MP3 nunca terá.

– Quais sãos os planos de divulgaçao para este trabalho?

Começo a montar uma banda pra me acompanhar pro “ao vivo”.quero que esse disco seja meu cartão de visitas…por isso vou manda-lo pra rádios,blogs musicais,revistas…fazer contatos, armar shows, fazer a coisa andar…como eu disse no inicio da entrevista…”se jogar na aventura” mas,agora,com leveza.

1 Comentário

  1. Pingback: Entrevista lançamentos: Pessoas Invisíveis | » Para quem gosta de música sem preconceitos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Log in