Para quem gosta de música sem preconceitos - el Cabong

Entrevista básica: Versu2

Mais uma edição da série de entrevistas básicas com artistas falando sobre os lançamentos de seus novos discos. Dessa vez nosso entrevistado é o grupo de rap Versu2. Criado em 2008, o grupo é formado pelos MC’s Coscarque e Blequimobiu e pelo DJ Gug e tem se consolidado como um dos nomes do rap baiano mais atuantes. O Versu2 tem circulado e tem se destacado num cenário cada vez mais profisionalizado e forte do rap da Bahia. Nesse primeiro Ep, reuniram suas músicas (7 no total), chamaram vários amigos para participar das faixas e trouxeram uma novidade. Além das faixas, o EP contém o jogo Toy Art War que é jogado em primeira pessoa e foi idealizado pelo Marco Alemar (responsável pela arte do EP) e tem total participação do grupo. Mostrando como está ligado numa nova realidade de mercado, divulgam o seu trabalho vendendo o disco por apenas dois reais. Nessa nova entrevista da série, o grupo fala mais sobre o disco, a carreira e o mercado.

——————————————————–

Quem: Versu2

O Que: “Apresento Meus Amigos”

Formato:EP

Onde: no site tortofonogramas.com/bestiario

Por quem: Positivoz, Big Bross Rec e Fora do Eixo Discos

Preço: R$ 2,00 (dois reais)

——————————————————–

– Gostaria que você contasse como foi a concepção do disco. Há um conceito nele?

O disco surgiu sem um planejamento, estávamos gravando e experimentando vários sons e quando pecebermos tinhamos muitas faixas com participação de amigos, então resolvemos juntá-las e lançar este EP que como o nome já diz apresenta nossos amigos ao mesmo tempo que nossos amigos nos apresentam. Nele esta boa parte dos nomes mais ativos da cena rap baiana.

Quando o disco tava praticamente pronto nosso amigo Marco Alemar deu a ideia de usar uma de nossas batidas no game Toy Art War o qual ele esta desenvolvendo e dai surgiu a idéia de inserir também no contexto do EP um demo do jogo, isto repercurtiu bastante e estamos com grandes planos pra o próximo lançamento

– Como foi o processo de produção e gravação?

A produção aconteceu de uma forma bem despretenciosa, vários amigos iam nos apresentando beats e quando rolava a identificação desenvolviamos os temas, foram quase 20 músicas que escrevemos, gravamos e no final vimos que estas eram suficientes pra intenção que tinhamos.

– Quais foram as principais influências durante a criação e gravação do álbum?

A amizade, a liberdade de fazer música sem um foco especifico, a celebração pelo melhor momento do rap no estado, as conquistas de poder estar indo a outros estados mostrando que na Bahia não temos barreiras musicais.

– Como você insere o disco e o trabalho da banda na música feita na Bahia?

Já vendemos praticamente toda tiragem inicial de 1000 cópias, vamos prensar mais 2000 agora, foram quase 3 mil downloads em nosso site oficial. Apresentamos este disco em Fortaleza, Recife, Maceio, Vitória da Conquista, Belo Horizonte e São Paulo, acabamos de gravar o programa Manos e Minas que é o principal programa de tv a nível nacional do gênero, acreditamos que este momento é inédito para a música baiana no conceito independente.

Estamos apenas introduzindo, são apenas 2 anos e meio de trabalho, temos muito que aprender e fazer ainda, vamos deixar que o povo baiano insira nossa música em suas vidas, o Brasil já tá fazendo isto.

– Como ele está sendo lançado e como encontrá-lo?

O Ep é um lançamento da Positivoz, Big Bross Rec e Fora do Eixo Discos.

– Gostaria que fizesse um panorama da evolução musical da banda desde o inicio até este disco.

O que posso dizer é que desde sempre fomos muitos cautelosos nos nossos passos mas nunca deixamos de ser ousados, nossa primeira música “Pra fazer o que gosta” foi finalista do Festival da Educadora FM, na segunda “Que som é este” misturamos sample de Ivete Sangalo com a batida do rap, na terceira fizemos “Segredo da Harmonia” fizemos um clip e um concurso de remix que colocou nosso nome no cenário rap a nível nacional. Agora com este EP estamos tendo o retorno de que fizemos a coisa certa ao assumir nossos sutaque, girias e ao falar com o olhar partindo de nossa realidade. Já estamos escrevendo novas músicas pra um proximo disco e vamos abaianar ainda mais a parada.

– Porque em tempos de MP3 ainda lançar um álbum?

Porque na praia num tem internet, hehehhehe! Vendemos nossos discos na praia, na rua, no trabalho, na faculdade, ele custa apenas R$2, tem um arte bonita, as pessoas compram só pela capa, por saber que é rap da Bahia, ficam curiosas pq dizemos que tem mistura com capoeira, olodum, que a música é legal e acompanha um demo do game Toy Art War, a mp3 é da hora, mais num é tudo, ainda queremos fazer um vinil e eternizar nossa música.

– Quais sãos os planos de divulgação para este trabalho?

Vamos lançar um clip logo logo, o game Toy Art War já vai estar a venda tbm até o fim do ano, ele tá sendo muito elogiado nas comunidades e foruns internacionais e queremos tocar muito, rodar o Brasil, continuar vendendo na rua de mão e mão e tentar de uma forma ou de outra chamar atenção pra mídia local para o grande momento da música rap no estado, é uma grande oportunidade dos jornalistas quebrarem um pouco de suas rotinas ao só falar das mesmas pessoas ou só das novidades do sudeste.

Tagged under:

, , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Log in